>HELENA BRANCO POEMA DO ROMANCE QUE NAO LI….III


>


Helena Branco

do romance que não li …III

dpuras  e tu meu Helena Branco, el El Domingo, 19 de septiembre de 2010 a las 10:25
 são fragrâncias que se desprendem
 amor és
 irrecusável entre os que amam
 sem muro  negrume
 ou  amargor 
 diz como posso fazer
 sem seduzir-me primeiro
 é o amor
 que insiste
 um beijo que resiste e nos prometi
 recusar-te a maior dor que trago
 entregue o ensejo aberto e profundo
 sem culpa ou reticência
 quero amar amor a evidência
 apenas amo
 toma hoje por amanhã que insisto
 restar no abraço que me tem cativa
 no sussurro ou no bulício…
 Serei a hora de chegares
agua alterosa até que a luz
 se apague
 e a dor  abrande
 a de ser poeta e ter sede
 ser nas tuas mãos
 bastante
 teu corpo regresso
 a dor que não peço
 o teu cansaço
 com estertor da voz
 a urgência invocada
… que a noite sopre em nós
a  madrugada
monossílabos de rubor
e excesso
pele da tua
permaneça
que amar não diz
quando

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s